sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Laminite



Laminite é uma inflamação das laminas do casco o qual o cavalo começa a claudicar e posteriormente a deformação do mesmo.

É uma inflamação das lâminas do casco, porém com uma seqüência DSCN1881complicada de eventos inter-relacionados que resulta em graus variáveis de patologias. Laminite é, na realidade, uma doença perivascular periférica que se manifesta por uma diminuição na perfusão capilar no interior da pata, quantidades significativas de desvios arteriovenosos, necrose isquêmica das lâminas e dor.
Pode ser traduzida como uma manifestação local de um distúrbio metabólico mais sistêmico que afeta os sistemas cardiovascular, renal e endócrino, além da coagulação sangüínea e do equilíbrio ácido-básico. Acredita-se que os processos vasoativos alterados e a coagulopatia são responsáveis pela perfusão capilar DSCN1883diminuída e pela necrose isquêmica que ocorre nas lâminas do casco.
Stashak (1994), também descreve as fases de desenvolvimento da doença. Fase de desenvolvimento se inicia quando o cavalo entra em contato com os fatores que desencadeiam os mecanismos patofisiológicos causadores da laminite. Esta fase termina ao primeiro sinal de claudicação.
Fase aguda se inicia com começo da claudicação e se estende por períodos variáveis, dependendo de quando ocorre a rotação da falange distal. Fase crônica começa quando a claudicação é contínua por mais de 48 horas ou quando há evidência da rotação da falange distal. DSCN1882Pode durar por semanas, ou persistir pelo resto da vida do animal. Caracterizada por claudicação intermitente ou contínua e por padrões divergentes de crescimento da parede do casco.

CAUSAS:

São reconhecidas as causas predisponentes e determinantes na etiologia da laminite, porém a interação entre elas é que na realidade produz o aparecimento da patologia. Os fatores mais comuns ao desencadeamento da laminite são:
- Alimentar: excessiva ingestão de grãos, principalmente milho, aveia e trigo. Geralmente ocorre uma associação do quadro da laminite ao de distúrbios gastroentéricos, Excelente Blue AEonde a histidina formada na digestão de grãos é transformada em histamina, principal droga de ação na rede vascular do pé.
Acredita-se que a sobrecarga de carboidratos resulta na redução do pH do ceco e presença de endotoxina liberada pela lise de bactérias Gram-negativas, responsável pela quebra da barreira da mucosa, possibilitando a absorção de toxina e desencadeamento dos demais fenômenos etiopatogênicos. A degeneração da mucosa do intestino permite que a endotoxina tenha acesso à circulação portal.
- Infecciosa: éguas com retenção placentária desenvolvem quadro de laminite bastante severa, assim como animais com pneumonia ou graves infecções sistêmicas.
- Mecânica: animais com treinamento inadequado e são submetidos a trabalho intenso. Geralmente a conformação e elasticidade dos pés estão relacionadas com esta causa. Cavalos com problemas de apoio em um dos membros acabam adquirindo laminite no membro contralateral por intensa fadiga de apoio.
O trabalho pesado em piso duro, ou extrema exaustão e desidratação do animal também são fatores que podem desencadear a laminite.
- Mistas: quando não existem evidências de causas mais comuns, deve-se atentar à possibilidade de desequilíbrios hormonais, alterações tróficas da falange distal, uso prolongado de corticosteróides e derivados da fenilbutazona (que diminuem a síntese protéica e potencializa a vasoconstrição digital) e animais com hipertensão digital
Thomassian, 1997.

PATOGENIA


Visto que as lâminas epidérmicas suspendem a falange distal e portanto o peso do cavalo, a Laminitis degeneração laminar destrói o mecanismo de suspensão e permite que as forças de sustentação do peso empurrem a falange distal ventralmente. Smith, 1994.
No pé do cavalo os mecanismos vasoativos e de coagulação (por ação de mediadores como prostaglandina, serotonina, histamina) são responsáveis por alterar o fluxo sangüíneo podal que se processa por vasos através dos forames nutridores da falange distal, para depois formar a rede de microcirculação no sistema de sustentação laminar do casco. A vasoconstrição Laminitis cross-sectioncausa diminuição do fluxo sangüíneo e edema, falta de nutrientes e conseqüente necroses isquêmica no tecido lamelar gerando o desvio “shunts” arteriovenosos no restante da circulação.
A instalação da necrose isquêmica produz perda da interrelação do tecido podofiloso, predispondo ao abaixamento e aos fenômenos de rotação da falange distal.
O córion coronário palmar, lâmina dérmica palmar e córion palmar da sola, não são comprometidos pelos fenômenos de isquêmia, por apresentarem intensa rede de vasos colaterais. Thomassian, 1997.
A dor gerada no processo é um estímulo que libera catecolaminas que irão agir no interior dos vasos, causando a vasoconstrição e aumentando a isquemia.
Conforme a laminite passa para a fase crônica, a necrose se estende às estruturas dérmicas, causando uma perda do apoio suspensório entre as lâminas dérmicas e epidérmicas. Uma combinação das forças de tração do tendão flexor digital profundo e as forças rotacionais que têm o seu foco na pinça, separam mecanicamente a falange distal da parede do casco. Stashak, 1994.
A integridade do mecanismo suspensório laminar depende da manutenção de proteínas nas redes citosequeléticas e junções intercelulares das células laminares epidérmicas. A degeneração laminar pode ocorrer devido a fatores citotóxicos ou por distúrbios que aumentam a tensão sobre as lâminas. Smith, 1994.

SINTOMAS DA LAMINITE

Quando a laminite afeta os quatro membros, o cavalo permanece deitado por longos períodos. Na maior parte das vezes, apenas os membros anteriores são afetados, neste caso, as patas traseiras estão posicionadas bem sob o corpo e as patas dianteiras são estendidas para frente, com o peso apoiado nos talões do casco. O cavalo mostra grande relutância em se mover.

Os graus de manifestação locomotora da laminite podem ser:

  • Grau 1: o cavalo levanta os membros anteriores incessantemente, alternando o apoio no solo em intervalos de poucos segundos. Manqueira imperceptível e o animal retira rapidamente o membro do solo.
  • Grau 2: cavalo movimenta-se voluntariamente ao passo, encurtando ainda mais a fase de apoio ao solo. Ainda é possível erguer-se um dos membros anteriores do animal sem muita dificuldade.
  • Grau 3: cavalo reluta em iniciar locomoção e reage, não permitindo qualquer tentativa de erguer-se um dos membros.
  • Grau 4: somente inicia a locomoção se for forçado, e ao fazê-lo, projeta simultâneamente os dois membros anteriores para cima e para frente. Acima desse grau dificilmente o animal conseguirá manter-se em posição quadrupedal.

Embora a rotação da terceira falange seja mais comum nos casos crônicos, ela pode ocorrer a partir do segundo dia, em casos mais graves de laminite aguda.

DSC01257

Depois de mostrar as figuras anteriores com a laminite aguda; agora vemos a mesma égua depois de um ano e meio. Podemos apreciar como a estrutura do casco esta melhor, mas ainda com alguns absessos. O processo para a cura da laminite é muito demorado e exige um cuidado permanente da parte do profissional em ferrageamento e casqueamento para que o formato do casco volte a ser o mais normal possível.

DSC01258

Nenhum comentário: